O mistério e a beleza da barriga de uma grávida


Interessante observar as mudanças de comportamento das pessoas com as mulheres grávidas. É como se a mulher se tornasse um ser à parte. Como se ela deixasse de ser mulher para ser simplesmente grávida.

De maneira geral, convencionou-se que não se toca ou beija a barriga de uma mulher. Nem a de homens, por sinal. Imagine a cena de duas amigas que se encontram no shopping e começam a alisar a barriga uma da outra e trocam beijos na barriga ao invés das bochechas. Estranho. Mas agora imagine que apenas uma delas faz isso e a que recebe o carinho ostenta um barrigão gestante. A tendência é sorrir para a cena com simpatia.

O fato é que, normalmente, ninguém pega na barriga das mulheres por aí. Mas antes mesmo de a barriga de uma grávida aparecer, todos, homens e mulheres, perdem todos os melindres e parece não haver problema algum no toque. Tomei muitos sustos no início, ao cumprimentar alguém a quem antes apenas dava os dois beijinhos convencionais e a pessoa de repente "metia a mão" na minha barriga. "Minha barriga não é vitrine, oras!", pensava eu. Lembro da simpatia que senti por uma amiga que certa vez me pediu pra tocar na barriga. Achei de grande delicadeza e respeito e obviamente consenti. Eu sei bem que é um gesto carinhoso, e curioso. E até me acostumei e talvez até tenha aprendido a gostar.

Até mesmo a minha relação com meu corpo mudou. Nunca gostei de mostrar minha barriga, exceto na praia por questões culturais. Antes de engravidar eu pensava que não mostraria minha barriga e que a gestação não seria pretexto pra fazer algo que em outro estado não faria. E qual não foi a minha surpresa quando eu me vi querendo publicar uma foto da minha barriga!

Parece que a barriga de uma mulher perde sua sensualidade por passar a ter outra função. Isso afeta a todos. A família vê sua cultura preservada por mais uma geração. E cada indivíduo tem o instinto de se sentir satisfeito com a sobrevivência da sua espécie sendo mantida pelo tal ventre. Assim, todos querem participar um pouco disso e festejar com a incubadora. Querem ver, tocar, acariciar o invólucro que cumpre o nobre papel vital e necessário à vida tal qual conhecemos na Terra. A barriga da grávida passa a ser objeto de domínio público, tratado com reverência, apesar da ausência de cerimônia.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

3 anos de Elias - meus votos

Barriga de 5 meses (21 semanas)

Relato de parto II - amor rima com raiva