O desafio

Via de regra, quem parte para 10 dias de férias, para um pais onde se tem muito e bons amigos, leva um espirito alegre. No aeroporto, meu pai, Càssia, Pedro e Bernardo estavam sorridentes e falantes. E o bom humor deles me incomodava, apesar de fazer bem. Eu estava longe de estar alegre, eu estava mal-humorada demais. Eu queria ter passado mais tempo com o marido, mas o trabalho não deixou. de qualquer maneira eu tinha muito o que fazer. Trago duas blusas um pouco umidas na mala porque lavei roupa um dia antes da viagem. Esse é mesmo meu carma desde a viagem para a Polônia. 
Nunca entrara na parte de embarque tão tarde. Fui uma das ùltimas a entrar no avião. Eu queria adiar o màximo possivel a separação. Mas a hora chegou, e não foi sem làgrimas nos olhos que abracei Bernardo dizendo que não queria ir sozinha. Um dengo so. Olhando a cena agora, vejo o quanto "menininha" estava. Mas não me acuse, leitor, eu tenho uma resposta infalivel e que serve pra tudo:
"é a gravidez!"
A resposta e a atitude de Bernardo me deram força. Ele respondeu com um forte abraço dizendo:
"Eu te amo por quem você é. E você é uma aventureira!"
So agora eu entendo a surpresa de muitos quando eu dizia que ia viajar sozinha por 40 dias. Uma grande amiga (Emmanuelle, pra quem conhece) disse: "Fico feliz em ver que você continua a fiel a si mesma: uma batalhadora." Quando li, pensei: "Exageraa...da". O sogrão, por sua vez, perguntou se eu não tinha a possibilidade de adiar a viagem. Na hora, respondi que "não" sem pensar. Mas na verdade nunca cogitei essa possibilidade. Eu planejei viajar e terminar o Mestrado 2 gràvida. Não, não foi um acidente. Apenas mais um projeto mirabolante dos SOUSA.
Admito que eu não achei que seria tão dificil. Que eu so faria dormir durante os 3 primeiros meses. Que eu so pensaria em ultrassonografias, desenvolvimento fetal, Pilates e comida nos meses seguintes. Nem que Elias traria consigo uma torta de hormônios das mais doces. Carência level up!
Mas eu não desisto. Eu sei quem sou. Bom ter pessoas que me ajudam a lembrar quando esqueço. O apoio de Bernardo tem sido decisivo. E eu acho que Elias vai gostar da aventura vivida comigo. Afinal, a aventura é dele também. A primeira de muitas. E é por ele também. Quero que ele sinta orgulho da mãe que tem. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

3 anos de Elias - meus votos

Barriga de 5 meses (21 semanas)

Relato de parto II - amor rima com raiva