Primeira ultrassonografia

A primeira ultrassonografia é um momento bastante esperado. Expectativa de ver o bebê, ouvir seu coração, confirmar que tudo está no lugar em que deveria. Você pesquisa na Internet onde se faz e qual laboratório aceita seu plano, encontra um perto de casa e liga para agendar. A resposta é:

"O atendimento para ultrassom é de 7 às 8 da manhã e das 12 às 14, por ordem de chegada."

Desconsiderando os aspectos socio-culturais compartilhados, como você interpreta isso? Como você organiza o seu dia? Os que já conhecem bem o sistema perdoarão a minha inocência, mas pensei que indo às 7 horas da manhã, seria atendida às 8 horas, no máximo. Saí de casa, numa bela sexta-feira, o único dia da semana que tenho pra dormir até mais tarde, e cheguei no laboratório às 7h07. E ele já estava lotado. Peguei a senha e esperei. Em pé. Depois corri pra pegar o lugar de alguém que foi ser atendido. Esperamos, Bernardo e eu. Cochilamos. Conversamos. Ele preencheu um questionário do IBOPE. Eu ouvi a conversa alheia. "Por que não trouxe um livro??" Eu pensava comigo.

Vi o tempo passar ao longo dos programas globais. Bom dia Brasil. Bem-Estar. Ana Maria Braga. Globo Esporte. Se errei a ordem, desculpem a pessoa que só "assiste" à TV de maneira compulsória. Enfim, às 10 horas, fui atendida. Atendida? Bom, eu dei meu nome e entrei numa nova lista de espera. Agora eu não mais esperaria meu número aparecer na tela, mas esperaria meu nome ser chamado. Ou seja, não mudou nada.

Perguntei quantas pacientes havia na minha frente: 23!! Eu não acreditei. Quanta grávida em Recife! Fazendo ultrassom no mesmo dia que eu. E mais bem informadas que eu, pois para aquele povo todo estar lá, é óbvio que eles chegaram antes das 7h. Bom, Bernardo e eu decidimos ir em casa. Pegamos os livros para irmos direto pra aula depois do almoço com tia Nana. Lanchamos. Voltamos uma hora depois e  tinha 10 pessoas na minha frente! Sentamos. Esperamos... Até 11h50, quando fui pra uma sala pequena e nada amigável, deitei e... esperei! Bernardo repetia "Nasty, nasty!" E eu achava que era pela espera. Uns 10 minutos depois, a médica chegou, colocou um gel super gelado na minha barriga e me proporcionou o momento mais emocionante da gravidez até agora. Bernardo parou de dizer "Nasty" pra dizer "Eita, vai ser um lutador! Continue dando proteína pra ele!" E sorria. Eu sorria e dizia "Que lindinho". 

Realmente um momento emocionante e único. Quando saímos, Bernardo disse à secretária: "Moça, tem uma barata no ar condicionado da sala 4". 

Hein?! 

- Amor, por que você não me avisou?
Depois de uma manhã inteira de espera, tudo o que eu queria é fazer o exame. Se eu tivesse te avisado, você teria dado piti. Meu medo era que a médica visse e desse piti também. 
- E se ela voasse pra cima de mim? 
- Ah, eu estava de olho nela. E ela estava bem quietinha, no frio. Sabia que barata adora o frio? Por isso que elas vão para os esgotos. 

oO

Definitivamente, nunca mais voltaremos ao Ultra Imagem, que fica na Rua Amélia, nas Graças, na área nobre da nossa bela Recife. Está aqui o site deles: http://www.ultraimagem.web.br.com/ Passe longe!





5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 anos de Elias - meus votos

Barriga de 5 meses (21 semanas)

Relato de parto II - amor rima com raiva