Como se declarar?

Encontrei por caso esse texto que data exatamente de 5 anos e 5 meses atrás.

"Pedro,

Resolvi escrever pra pôr um pouco para fora tudo o que eu estou sentindo. Sinto um bolo subindo pelo esôfago, algo que precisa ser expelido para poder dar espaço a outras coisas, como o vital O2. Mas é que ultimamente outras coisas têm-me sido vitais: eu respiro Pedro; transpiro Pedro; bebo Pedro... Pois é. E escrever é o cano de escape. Quando eu vomito o bolo por você em você. Que maneira excêntrica de nomear um sentimento, não? Bolo! É que falar de paixão me faz lembrar do quanto isso é grave. Muito grave! Porque eu não estou mais apaixonada do meu jeito. De repente fiquei fora de mim. Apaixonada! Louca! Insensata! E tão feliz!
Vi certa vez num filme que apaixonar-se é pular de um precipício: você pensa que está voando, mas pode já estar caindo. Ou algo parecido. Pulei. E como é boa a sensação de liberdade. Voar sem saber exatamente onde. Sentir o vento açoitar seu rosto. Ter um amplo campo de visão indicando vários caminhos possíveis, mas não precisar nenhum, pois a imagem é embaçada. Vai ficando mais nítida à medida que engendra-se por um dos caminhos. Então é racionalizar um pouco, ao menos. E contar com a sorte. Eu tenho sorte. 
E, num lapso de realismo, penso se já não estou caindo. Medito. Vejo que cair também é voar. Voar pra baixo. A sensação é a mesma. Só vou saber quando sentir (se sentir) meu corpo chocar-se com o chão duro e a grande dor conseguinte. Parece-me que vale a pena correr esse risco. Sempre há algum risco em qualquer situação. 
Pode-se não pular. Passar a vida inteira com os pés firmes no chão frio. Vislumbrando o precipício e temendo-o. Arriscando-se a morrer com o arrependimento e sem ter se dado a chance de voar. 
Como já disse, pulei. E não há arrependimento. Jamais haverá. Grandes paixões! Grandes riscos! E eu assumo a ambos. Admito que eu, com todo o meu realismo, rendi-me a um romance intensamente apaixonado. 
Adoro você. 

Grande beijo,
Cecília

22/10/05 - Sab - 00:37

P.S. Há um belo par de olhos castanhos fitando-me de uma fotografia. Que sensação familiar. Mais agradável só pessoalmente. Vou dormir. Amanhã (hoje) nos veremos novamente e eu o beijarei profundamente. O beijo é outro cano de escape."

O que acham dessa declaração de paixão? Eu sinto um bolo por você... Um tanto excêntrico, não? 

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 anos de Elias - meus votos

Barriga de 5 meses (21 semanas)

Relato de parto II - amor rima com raiva