Na saúde ou na doença...

No começo da semana passada, senti febre. Pensei que fosse mais uma daquelas viroses recifenses, mas ela piorou, e insistiu. Alguém disse que poderia ser dengue. Depois, alguém disse que não poderia ser dengue, porque não havia manchas na minha pele.

No dia seguinte, elas apareceram.

Pois é. Considerei-me com dengue. Eu sabia que deveria repousar, mas o domingo estava chegando, e do sábado pro domingo eu costumo dormir mais. Por isso, não deixei de trabalhar. "Não é contagioso", dizia para os alunos, "a menos que haja um aedes aegipty voando por aqui..."

No sábado pela manhã, não posso dizer que estava me sentindo saudável como um cavalo, mas insisti em ir trabalhar. Cecília também não estava se sentindo muito bem. E ela também achou que poderia ir trabalhar. Nos separamos para dar aulas em escolas diferentes, e quando nos vimos de novo, Cecília estava cobertas de bolinhas vermelhas, um ar cansado, e se queixava de coceira, dor de cabeça, um aperreio.

Queria levá-la para casa, mas na moto, teria sido outro problema. Então, o pai dela acabou tendo que cruzar a zona sul inteira para levá-la ao hospital. Eu fiquei dando aula.

Depois da aula, por telefone, soube que poderia ser rubéola. Rubéola! O que é isso?! Que nome horrível! Na minha ignorância, memorizei a palavra "rubéola" ao lado de ébola, cólera, malária, e outras coisas de por pra correr.

Rubéola sim, é contagiosa. E agora? Vocês que tiveram aula com a gente nos últimos 5 dias, corram para o seu médico, façam seus exames, e verifiquem sua carteirinha de vacinação. Se você já tiver tido a doença, não se apavore: ela só ataca uma vez na vida.

Coberto dessas bolinhas, resolvi ler a respeito delas. Acabei me deparando com enormes diferença entre as doenças. O que encontrei de mais assustador, foi a descrição da ébola, que, aliás, eu sempre chamei de "ebola". Parece-me que o vírus liquefaz sua vítima por dentro. Lendo aquela sinopse de Resident Evil, dei graças a Deus por estar com rubéola.

A semelhança entre rubéola e ébola é que ambas só infectam uma vez na vida. Rubéola porque o corpo aprende permanentemente a se defender dela; e ébola porque ele não tem a chance de se infectar de novo.


1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Barriga de 5 meses (21 semanas)

Elias e seus desejados 4 anos

Relato de parto II - amor rima com raiva